WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
;
o blog artigos curiosidades dicas qualidade de vida fale conosco
novembro 2020
D S T Q Q S S
« jul    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

:: ‘pesquisa’

Cientistas descobrem função inesperada dos pulmões

DA REDAÇÃO

Experimentos feitos com camundongos podem ajudar os cientistas a entender melhor doenças inflamatórias, tromboses e transplantes pulmonares

Cientistas da Universidade da Califórnia, em São Francisco, descobriram que os pulmões desempenham um papel que vai além da respiração. Em uma série de experimentos feita com ratos, os pesquisadores notaram que os órgãos do animal produziram mais da metade das plaquetas – componentes do sangue necessários para a coagulação – envolvidas na circulação sanguínea.

Segundo Mark Looney, autor principal do estudo, isso significa que os pulmões humanos podem realizar uma função totalmente inesperada: a produção de sangue. “Esse achado definitivamente sugere uma visão mais sofisticada dos pulmões – que eles não são apenas para a respiração, mas também um parceiro fundamental na formação de aspectos cruciais do sangue”, disse o cientista em um comunicado.

A pesquisa, publicada na revista Nature, foi possível graças a uma técnica de microscopia em vídeo desenvolvida por Looney e o coautor do estudo, Matthew Krummel. O método permite que as plaquetas brilhem para que os cientistas visualizem células individuais em vasos sanguíneos minúsculos dentro dos pulmões de um rato vivo.

Durante a realização de três experimentos, eles observaram uma grande quantidade de células produtoras de plaquetas, os chamados megacariócitos, na vasculatura pulmonar do animal.

Os megacariócitos já foram vistos nos pulmões em estudos diferentes, mas a medula óssea sempre foi apontada como um importante local de produção de plaquetas. Agora, as imagens adquiridas pelos cientistas revelaram que essas células produzem mais de 10 milhões de plaquetas por hora nos pulmões dos ratos.

“A contribuição dos pulmões para a biogênese plaquetária é substancial, representando aproximadamente 50% da produção total de plaquetas (do camundongo)”, explicam os autores no estudo.

Além dessa descoberta, os pesquisadores identificaram mais de um milhão de células-tronco por pulmão, localizadas fora dos capilares pulmonares. Essas células são importantes, pois elas podem se transformar em quase qualquer tipo de célula (nesse caso, as sanguíneas).

De acordo com o estudo, as células-tronco “podem migrar para fora dos pulmões, repovoar a medula óssea e reconstituir completamente a contagem de plaquetas.” Assim, o que ele sugere é que, caso a medula óssea pare de funcionar e não produza mais células sanguíneas, os pulmões podem fazer esse trabalho.

“Estamos vendo cada vez mais que as células-tronco que produzem o sangue não apenas vivem em um lugar, mas viajam ao redor da corrente sanguínea. Talvez “estudar no estrangeiro”, em diferentes órgãos, é uma parte normal da educação das células-tronco”, disse Looney.

No comunicado, os cientistas apontaram que os resultados têm relevância clínica direta e levanta vários questionamentos para futuros estudos sobre doenças inflamatórias, sangramentos, tromboses e transplantes pulmonares. Porém, vale ressaltar que o estudo foi feito apenas com camundongos. Por isso, ainda é preciso esperar pelos testes com seres humanos para confirmar essa teoria.

POR MARINA DEMARTINI – EXAME.COM

Cientistas descobrem, em verme, gene contra a obesidade

DA REDAÇÃO

Pesquisadores australianos e dinamarqueses descobriram em um verme um gene responsável pela sensação de saciedade, que poderia ajudar a combater a obesidade, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira.

Este gene, batizado “ETS-5”, controla os sinais que o cérebro manda aos intestinos e que provocam a sensação de saciedade, assim como a necessidade de dormir ou de fazer exercícios após ter comido, explicam os cientistas, cuja pesquisa foi publicada na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). :: LEIA MAIS »

Cientista de MG desenvolve anticorpo para diagnosticar câncer de mama

DO G1

Professora atua no campus Patos de Minas da UFU. Pesquisa levou 10 anos; docente recebeu Prêmio Octavio Frias 

Professora Thaise Gonçalves de Araújo foi premiada por pesquisa

Uma professora do curso de Biologia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) é a responsável pelo desenvolvimento de um tipo de anticorpo capaz de reconhecer proteínas do câncer de mama.

Foram dez anos de pesquisa, que foi reconhecida em 2015 pelo prêmio “Octavio Frias de Oliveira”, que incentiva a produção de conhecimento nacional na prevenção e combate ao câncer.

Thaise Gonçalves Araújo atua no campus da universidade em Patos de Minas, no Alto Paranaíba. Ela contou que para a observação teve o auxílio de um grupo de pesquisadores. “Foi coletado o material genético de dez pacientes que recorreram ao Hospital de Clínicas da UFU para extração do material genético”, afirmou.

A partir do material se construiu e modificou sequências para obter anticorpos promissores para diagnóstico do câncer de mama, dentre estes o FabC4. “Quando testamos esse anticorpo vimos que ele conseguia diferenciar as pacientes que tinham câncer daquelas que tinham doenças benignas. :: LEIA MAIS »

Proteína produzida no tecido adiposo é gatilho para diabetes

DA AGÊNCIA FAPESP

POR KARINA TOLEDO

Alguns sintomas da diabetes

Estudo feito na Harvard University tem brasileiro como autor principal e foi publicado na revista Cell Metabolism

São Paulo – Já está bem estabelecida na literatura científica a relação entre obesidade – principalmente gordura visceral –, inflamação sistêmica crônica e o desenvolvimento de distúrbios metabólicos como diabetes.

Em artigo publicado em março na revista Cell Metabolism, pesquisadores da Harvard University, nos Estados Unidos, descreveram o papel de uma proteína secretada pelo tecido adiposo e pelo fígado – a RBP4 – na ativação das células de defesa produtoras de substâncias inflamatórias e na consequente indução da resistência à insulina.

“Mostramos que a RBP4, uma proteína encontrada em concentrações duas ou três vezes mais altas em obesos e diabéticos, funciona como gatilho para a inflamação no tecido adiposo. Essa molécula é, portanto, um alvo para novos medicamentos”, disse o brasileiro Pedro Moraes-Vieira, autor principal do artigo. :: LEIA MAIS »

Proteína pode proteger cérebro contra o Mal de Alzheimer

DO R7

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, descobriu que uma proteína produzida pelo corpo, mas que fica inativa nos pacientes com Alzheimer, poderá ajudar os especialistas a encontrar novos tratamentos para a doença. A informação é do Huffington Post desta quinta-feira (20).

Segundo a publicação, a proteína chamada de Rest se desenvolve durante o desenvolvimento do cérebro fetal e protege os neurônios do envelhecimentos e de várias tensões. Mas nas pessoas com Alzheimer isso não acontece, segundo os pesquisadores a doença inibe a ativação dessa proteína.

De acordo com o professor da Harvard Medical School e líder do estudo, Bruce Yanker, a pesquisa visa explicar como a doença se desenvolve e como ela se agrava. :: LEIA MAIS »

Somos mais desonestos à tarde

DA REDAÇÃO DO ACESSEMED

Dois pesquisadores de ética, um  da Universidade de Harvard-EUA  – Maryam Kouchaki  e outro da Universidade de Utah –  Isaac Smith, realizaram uma análise sobre o autocontrole das pessoas cujo resultado  revelou que as pessoas tendem a ser mais desonestas à tarde do que de manhã.

Foram feitos experimentos examinando vários comportamentos antiéticos, como mentir, roubar e enganar. Os pesquisadores perceberam que as experiências realizadas na parte da manhã resultam sistematicamente em menores casos de comportamento antiético.

A conclusão do estudo foi que com o decorrer do dia, acrescendo fatores como cansaço e desgaste emocional,  no final da tarde as pessoas estão mais propensas a trapacear e abreviar soluções para seus problemas, que podem, muitas vezes ser consideradas fruto de um caráter desonesto.

 

 

Esquizofrenia: mais perto da cura

DO JORNAL DA USP

ROSEMEIRE SOARES TALAMONE E MARILIA CALIARI – DE RIBEIRÃO PRETO

Pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – em parceria com universidade canadense – resulta em tratamento mais eficaz para a esquizofrenia

Pesquisa conjunta entre a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP e a Unidade de Pesquisa em Neuroquímica da Universidade de Alberta, Canadá, obtém novo tratamento para a esquizofrenia. Resultados mostraram maior eficácia no controle de todos os seus sintomas, além de ação mais rápida e sem efeitos colaterais. Os achados da pesquisa, coordenada pelos professores Jaime Hallak, da FMRP, e Serdar Dursun, de Alberta, acabam de ser publicados na revista Archives of General Psychiatry/Jama Psychiatry. :: LEIA MAIS »

Pesquisadores curam epilepsia em cobaias

COM INFORMAÇÕES DO BEM ESTAR/G1

Um estudo realizado por cientistas americanos da Universidade da Califórnia em São Francisco (UCSF) obteve resultados inéditos. Os pesquisadores conseguiram curar camundongos com epilepsia, por meio de transplante de células cerebrais. A pesquisa foi publicada na edição online da revista Nature Neuroscience.

Os pesquisadores utilizaram terapia celular para controlar as convulsões das cobaias. Com o método, foi possível curar metade dos roedores participantes dos testes. Os demais roedores tiveram uma grande redução no número de crises e também se tornaram menos agitados.

Os cientistas realizaram cirurgias nos cobaias para substituir as estruturas que falhavam na epilepsia por células embrionárias chamadas MGE. Depois da operação, as novas células amadureceram e realizaram um significativo papel na promoção do equilíbrio entre excitação e inibição.

O principal autor do estudo, Scott C. Baraban, afirmou em entrevista publicada na página on line do programa Bem Estar (Rede Globo) que esta terapia pode ser mais efetiva no tratamento de epilepsia do que os atuais medicamentos disponíveis. “Esse procedimento oferece a possibilidade de controlar as convulsões e resgatar deficits cognitivos em pacientes”, disse.

Redes sociais estão acabando com a vida sexual das pessoas, diz pesquisa

DO CENÁRIOMT

Pesquisa realizada pelo site “Broadbandchoices” afirma que grande percentual dos adultos britânicos acessa redes sociais por meio de notebooks, smartphones e tablets quando vão para a cama, resultando em diminuição de horas de sono diárias e também de suas frequências sexuais.

Quando dormir?
Os dados colhidos neste estudo informam que, em média, dorme-se hoje uma hora e meia a menos do que há uma década. E os culpados? Majoritariamente, Twitter e Facebook, existindo ainda outros dispersores por toda a Internet. Enquanto em 2002 a população adulta da Grã-Bretanha costumava dormir por volta das 22h30, hoje 46% dela adormece à meia-noite. :: LEIA MAIS »

Comer frutas traz benefícios para o cérebro

DO EUREKALERT

Pesquisa publicada no ACS’ Journal of Agricultural and Food Chemistry mostra que frutas vermelhas, como as blueberries, amoras e morangos, têm efeitos benéficos sobre o cérebro e podem ajudar a prevenir as perdas cognitivas decorrentes da idade, como a diminuição da memória.

De acordo com os cientistas, o aumento da expectativa de vida levanta questões sobre o bem estar e saúde física e mental, e sobre os custos que os tratamentos de saúde trazem, especialmente as doenças mentais, como o Mal de Alzheimer.

Os cientistas explicam que a pesquisa mostra que comer frutos vermelhos podem tornar o processo de envelhecimento do cérebro mais lento. As pesquisas realizadas sobre o tema até hoje mostram que os benefícios foram comprovados em estudos com animais, células e em humanos. :: LEIA MAIS »

Técnica brasileira permite estudo da infecção causadora da meningite

DO DS

Barreira hematoencefálica

Brasileiros desenvolveram uma técnica que permitirá pela primeira vez o estudo da passagem de medicamentos e de patógenos pela barreira hematoencefálica.

Este é o caso, por exemplo, de doenças graves como a meningite e a septicemia.

O meningococo Neisseria meningitidis é uma bactéria comensal da nasofaringe humana.

Porém, algumas linhagens meningocócicas podem ultrapassar a mucosa respiratória e a barreira hematoencefálica, causando a meningite ou a septicemia, que é uma infecção generalizada do organismo por germes patológicos. :: LEIA MAIS »

Pesquisa mostra febre romântica entre os homens

DA FOLHA ONLINE

POR JULIANA VINES

Pesquisa feita pelo site de encontros Par Perfeito com mais de 18 mil pessoas mostra que os homens andam mais românticos do que as mulheres. Enquanto 59% deles acham que o casamento dura para sempre, 51% das mulheres pensam assim.

E quando um homem diz “eu te amo”, ele quer dizer “quero passar o resto da minha vida com você”, segundo os entrevistados na pesquisa. Já para as mulheres, a declaração é menos definitiva: significa “eu quero você na minha vida”.

O levantamento foi feito em julho com usuários do site, a maioria entre 35 e 45 anos.

Os números também mostram que 67% dos homens querem ter filhos, contra 43% das mulheres; 16% deles e 32% delas não querem ter.

Para Claudio Gandelman, presidente do site de relacionamento, a pesquisa mostra uma mudança no comportamento do homem. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia