WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
;
o blog artigos curiosidades dicas qualidade de vida fale conosco
setembro 2020
D S T Q Q S S
« jul    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

:: ‘HPV’

Vacinação contra HPV para meninos começa em 2017

DA REDAÇÃO

Vacina que já faz parte do calendário das meninas desde 2014 também começará a ser aplicada em meninos de 12 e 13 anos a partir do ano que vem.

Meninos de 12 e 13 anos também poderão se vacinar contra o HPV (papilomavírus humano). A vacina, que já faz parte do calendário vacinal de meninas desde 2014, passa a fazer parte da rotina dos adolescentes a partir de janeiro de 2017. A vacinação para o sexo feminino vai de 9 a 14 anos.

Nas mulheres, a vacina protege principalmente do câncer de colo do útero. Dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca) apontam este tipo de câncer como o terceiro mais incidente na população feminina no Brasil.

Com a ampliação da campanha para o público masculino, haverá a redução da circulação viral e também a prevenção do câncer de pênis, garganta e ânus. A vacina confere 98% de eficácia no primeiro ano após a última dose. Além disso, ela também garante proteção indireta para quem não foi vacinado.

Também a partir do próximo ano, a campanha passa a abranger meninas de 14 anos que ainda não tomaram a vacina e homens que vivem com HIV entre 9 e 26 anos. Até 2020, a faixa etária será ampliada para atingir meninos de 9, 10 e 11 anos.

Saúde vacinará também meninos de 12 e 13 anos contra HPV

DA REDAÇÃO

A partir de janeiro de 2017, meninos de 12 e 13 anos vão passar a receber a vacina contra o HPV. O anúncio foi feito esta semana pelo Ministério da Saúde. O HPV é um vírus que atinge a pele e as mucosas, podendo causar verrugas ou lesões precursoras de câncer, como o câncer de colo de útero e garganta. Devem ser imunizados 3,6 milhões de meninos. Até 2020, a faixa etária deverá ser ampliada e passará a ser de 9 a 13 anos. 

Em 2014, o governo federal iniciou a imunização gratuita contra o HPV em meninas de 9 a 13 anos com a vacina quadrivalente. A faixa etária foi escolhida por apresentar maior benefício em razão da grande produção de anticorpos e por ter sido menos exposta ao vírus por meio de relações sexuais. 
:: LEIA MAIS »

Sexo precoce aumenta risco de câncer do colo do útero, diz estudo

DA REDAÇÃO

Um estudo com 20 mil mulheres revelou uma associação entre a iniciação sexual precoce e índices mais elevados de câncer do colo do útero.

O objetivo da pesquisa era entender por que mulheres mais pobres correm maior risco de desenvolver esse tipo de câncer. Os especialistas constataram que essas mulheres tendem a iniciar sua vida sexual em média quatro anos antes do que mulheres de classes sociais mais elevadas.

Por conta disso, elas entrariam em contato mais cedo com o vírus que leva ao desenvolvimento do câncer do colo do útero, dando ao vírus mais tempo para produzir a longa cadeia de eventos que, anos mais tarde, levaria ao câncer.

Acreditava-se anteriormente que a disparidade era resultado de baixos índices de controle preventivo em regiões mais pobres. O estudo, feito pela International Agency for Research on Cancer, parte da Organização Mundial de Saúde (OMS), foi publicado na revista científica British Journal of Cancer.

Embora a diferença na incidência do câncer do colo do útero entre ricos e pobres – verificada em todo o mundo – tenha sido constatada há muitos anos, os cientistas não sabiam explicá-la. :: LEIA MAIS »

Procuradoria quer proibir vacina contra o HPV em todo o País

DO R7

O Ministério Público Federal em Minas Gerais ajuizou ação civil pública pedindo que a Justiça Federal proíba a rede pública de Saúde de aplicar a vacina contra o HPV em todo o território nacional.

A ação também pede a nulidade de todos os atos normativos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que autorizaram a importação, produção, distribuição e comercialização da vacina no País. A ação foi distribuída para a 2ª Vara Federal de Uberlândia.

Segundo a ação civil pública, não existe comprovação de que a vacina seja eficaz contra o câncer de colo de útero, além de não haver estudos apontando seus efeitos colaterais.

Além da proibição da vacina, a Procuradoria da República pede a suspensão de qualquer campanha de vacinação, inclusive por meio de propaganda em veículos de comunicação. O Ministério Público Federal requereu também que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) seja condenada a publicar resolução tornando a aplicação da vacina proibida em todo e qualquer estabelecimento de saúde, público e particular. :: LEIA MAIS »

HPV: Meninas devem procurar vacina nas Unidades Básicas de Saúde

DA REDAÇÃO

A vacina contra o Papilomavírus humano (HPV) continua disponível nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). A vacina é voltada para meninas com idade entre 9 e 11 anos, faz parte da rotina de vacinação e teve início em março deste ano. O HPV é o principal causador do câncer de colo de útero e a vacina protege contra os principais tipos de vírus.

Ao todo, 70% dos casos de câncer de colo de útero são consequentes da infecção da mulher pelo HPV, que é uma doença sexualmente transmissível. A vacina é segura, eficaz e não possui contra indicações. Ela deve ser aplicada em três doses para surtir o efeito esperado. A segunda dose tem que ser aplicada seis meses após a primeira e a terceira cinco anos após a primeira. :: LEIA MAIS »

Casos de internação após vacinação contra HPV assustam mães e jovens

DO BOM DIA BRASIL

Em Bertioga, no litoral de São Paulo, 11 meninas passaram mal após tomar vacina. Três delas foram internadas com dores no corpo.

Muitas meninas e mães ficaram assustadas em várias cidades depois das notícias de que garotas vacinadas contra o HPV foram internadas no litoral de São Paulo.

O Ministério da Saúde e especialistas afirmam que a vacina é segura e necessária para prevenir o câncer. Os médicos lembram que essa vacina é usada nos Estados Unidos, que têm um sistema de controle de medicamentos que é um dos mais rígidos do mundo.
A expressão é de dor, mas Ágata foi ao posto de saúde consciente da importância de tomar a vacina. “Para me proteger”, diz a menina.

Mais de quatro milhões de meninas entre 11 e 13 anos em todo o Brasil tomaram a primeira dose da vacina que protege contra o HPV, o vírus que causa o câncer do colo do útero. Seis meses depois, elas estão sendo convocadas a tomar a segunda dose disponível no Sistema Único de Saúde. :: LEIA MAIS »

RS: três adolescentes têm reação adversa à vacina do HPV

DO TERRA SAÚDE

Três adolescentes do Rio Grande do Sul apresentaram reações adversas à aplicação da vacina do HPV. Os casos ocorrem em meio ao início de uma controversa campanha nacional do Ministério da Saúde que tem como alvo a imunização de meninas entre 11 e 13 anos.

Os casos foram divulgados nesta quinta-feira pela Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul. Duas adolescentes de 13 anos de Porto Alegre tiveram uma crise anafilática após receberem a vacina no dia 24 de março; elas foram atendidas em uma unidade de saúde e foram liberadas no mesmo dia. :: LEIA MAIS »

SUS passa a disponibilizar vacina contra HPV em março

DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

A vacina contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), usada na prevenção do câncer de colo do útero, passa a ser ofertada no Sistema Único de Saúde (SUS) a partir de 10 de março, para meninas de 11 a 13 anos. A estratégia de vacinação nas unidades da rede pública do país e nas escolas, além da campanha de mobilização ao público-alvo, foram apresentadas, nesta quarta-feira (22), pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Confira a apresentação do ministro

A vacina estará disponível nos 36 mil postos da rede pública durante todo o ano, como parte da rotina de imunização. O Ministério da Saúde, no entanto, está incentivando às secretarias estaduais e municipais de saúde que promovam, em parceria com as secretarias de educação, a vacinação em escolas públicas e privadas. Para orientar esta mobilização, já foi distribuído informe técnico aos estados e municípios e, em fevereiro, inicia a capacitação a distância aos profissionais de saúde e professores. Também está previsto reforço nas escolas sobre a importância da vacina para adolescentes, pais e professores, com distribuição do Guia Prático sobre HPV. :: LEIA MAIS »

Vacina de R$ 1 mil vai ser gratuita

DO TERRA SAÚDE

POR FILIPE SANSONE

Valor é próximo ao que seria pago pelas 3 doses de imunização contra o HPV em laboratório particular

Se os pais de meninas de 10 e 11 anos decidissem comprar as três doses da vacina contra os quatro tipos mais comuns de HPV, também chamado de papilomavírus, para que as garotas ficassem protegidas contra o câncer de colo de útero, eles precisariam gastar em torno de R$ 1 mil em um laboratório particular. Com a incorporação da vacina ao SUS, as doses serão distribuídas gratuitamente a partir do início do ano letivo de 2014. A meta do Ministério da Saúde é imunizar mais de 647 mil crianças.

Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em entrevista ao DIÁRIO, graças a uma parceria com transferência de tecnologia entre o laboratório Merck Sharp & Dohme e o Instituto Butantan, que passará a fabricar o produto no Brasil, o ministério vai conseguir adquirir as doses por um preço dez vezes menor. :: LEIA MAIS »

“Minha namorada pegou HPV, fez tratamento e hoje está sem verrugas. Corro risco de pegar o vírus?” M.R.V. (de São Paulo-SP)

DA FOLHA ONLINE

A camisinha é o meio mais seguro para se proteger contra as DST – doenças sexualmente transmissíveis

 HPV (Papilomavírus Humano) é altamente contagioso e pode ser transmitido mesmo sem sintomas por meio do contato da pele ou das mucosas –a relação sexual, porém, é a principal forma de transmissão do vírus na região genital.

Segundo Carlos Alberto Petta, professor de ginecologia da Unicamp, é difícil predizer o risco de pegar o vírus, até porque cerca de 50% dos adultos já tiveram contato com o HPV.

Nem todos desenvolvem as lesões. O médico diz que o uso de camisinha diminui a chance de transmissão, mas o mais importante é a mulher ter recebido tratamento e ser acompanhada. :: LEIA MAIS »

São necessários mais esforços para vacinação em massa contra o HPV

DA SEXUALLY TRANSMITTED INFECTIONS

Passo a passo da evolução do câncer de colo do útero causado pelo HPV

Desenvolvimentos extraordinários ocorreram desde que ferramentas moleculares e epidemiológicas demonstraram que o papilomavírus humano (HPV) causa praticamente todos os cânceres cervicais uterinos, bem como uma proporção de outros tipos de câncer anogenital (vulva, vagina, anus, pênis) e alguns tipos de câncer de orofaringe. Um novo artigo publicado na revista Sexually Transmitted Infections abordou o assunto.

Os estudos mostraram que as vacinas profiláticas contra o HPVvisando as duas causas mais comuns de câncer de colo do útero, HPV 16 e 18, são seguras, imunogênicas e eficazes. Onde a cobertura foi entregue à população-alvo adequada, uma redução nas doenças HPV-relacionadas já foi vista. Verrugas genitais não só carregam um fardo financeiro enorme, mas também causam ônus psicossocial substancial e, em pacientes imunocomprometidos, como aqueles com infecção pelo HIV, podem ser recalcitrantes ao tratamento padrão e difíceis de tratar. :: LEIA MAIS »

Ministério avalia vacinar meninas contra HPV

DO DIÁRIO DO NORDESTE

POR LIANA SAMPAIO

A infecção pelo HPV pode atingir mulheres de qualquer idade. A imunização deverá ser ofertada para aquelas que não iniciaram vida sexual

O custo anual para disponibilizar a vacina contra o papilomavírus humano será de R$ 600 milhões

O Ministério da Saúde avalia vacinar meninas de 9 anos a 13 anos contra o HPV, o papilomavírus humano, causador do condiloma acuminado, doença sexualmente transmissível que pode provocar câncer de útero.

O HPV pode atingir mulheres de qualquer idade. No entanto, a ideia é imunizar adolescentes que ainda não iniciaram a vida sexual. A vacina não tem eficácia em mulheres adultas, com vida sexual ativa, que já foram expostas à infecção pelo HPV, segundo o secretário. A prevenção, nesse caso, deve ser feita por meio do exame papanicolau, que identifica o câncer no colo do útero.

Orçamento

Barbosa estima um custo anual de R$ 600 milhões para incluir a vacina contra HPV no calendário de imunização das adolescentes. O equivalente a um terço do que o governo gasta com todas as vacinas, segundo dados do Ministério. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia