WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
;
o blog artigos curiosidades dicas qualidade de vida fale conosco
julho 2021
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

:: ‘Anvisa’

Controle de preços barateou remédio em cerca de 35%, diz Anvisa

DO G1

Estudo analisa preço decidido na Câmara de Regulação entre 2004 e 2011.Governo costuma definir preços menores que os pedidos pelas empresas.

Os medicamentos custaram, em média, 35% a menos do que o pedido pelas indústrias farmacêuticas por conta da regulação de preços pelo governo, diz estudo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), divulgado nesta terça-feira (15).

A agência analisou os preços máximos estabelecidos pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) entre março de 2004 e dezembro de 2011, verificando 1.115 apresentações de 433 medicamentos. :: LEIA MAIS »

SUS oferta cinco novos medicamentos para artrite reumatóide

DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

A artrite reumatóide deforma as articulações de mãos e pés.

O Ministério da Saúde (MS) publicou no Diário Oficial da União desta terça-feira (11) a medida que aprovou a incorporação de cinco novos medicamentos para o tratamento de inflamações nas articulações, popularmente conhecido por artrite reumatóide, na lista do Sistema Único de Saúde (SUS).

Com a medida, os portadores da doença terão acesso a todos os medicamentos para a artrite reumatóide disponíveis no mercado e registrados na Agência Nacional de Saúde (Anvisa). Os medicamentos são: abatacepte, certolizumabe pegol, golimumabe, tocilizumabe e rituximabe. O SUS tem o prazo de até oito meses, a partir da publicação da portaria, para efetivar a ofertar dos medicamentos. :: LEIA MAIS »

Agora remédios voltam a ser vendidos fora do balcão

DA AGÊNCIA BRASIL

POR PAULA LABOISSIÈRE

De acordo com a resolução, os remédios de venda livre devem ficar em área separada da de produtos como cosméticos e dietéticos e devem ser organizados por princípio ativo para permitir a fácil identificação pelos consumidores.

Resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autoriza a partir de hoje (27) a venda de medicamentos isentos de receita médica em gôndolas de farmácias e drogarias de todo o país, ficando ao alcance direto do consumidor. A medida foi publicada no Diário Oficial da União.

De acordo com a resolução, os remédios de venda livre devem ficar em área separada da de produtos como cosméticos e dietéticos e devem ser organizados por princípio ativo para permitir a fácil identificação pelos consumidores. :: LEIA MAIS »

Anvisa determina apreensão e inutilização de remédio contra obesidade

DA AGÊNCIA BRASIL

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou, como medida de interesse sanitário, a apreensão e inutilização, em todo o país, dos lotes do medicamento Desobesi-M. O registro do produto já havia sido cancelado pela Anvisa em dezembro de 2011.

Entretanto, foram identificadas amostras falsificadas de alguns lotes o que levou a agência a publicar uma resolução determinando a inutilização de todos os produtos encontrados. A medida vale a partir de hoje. A detentora do registro era a empresa Aché Laboratórios Farmacêuticos S/A. :: LEIA MAIS »

Anvisa suspende venda de ginkgo biloba e outros produtos naturais de alguns laboratórios

DA AGÊNCIA BRASIL

POR CHRISTINA MACHADO

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu a fabricação, distribuição, o comércio e o uso, em todo o país, do Ginkgo biloba com ginseng e castanha da Índia, do seneante Salvlimp e de quaisquer outros sujeitos à vigilância sanitária, fabricados por Salvia Indústria e Comércio de Cordas Ltda. A empresa não possui registro nem autorização de funcionamento da Anvisa.

Pela mesma razão estão suspensos também os produtos sene, chá verde cápsulas, catuaba cápsulas, Tribulus terrestris, cáscara sagrada, castanha da Índia, garcínia, composto laxante, alcachofra com berinjela, composto circulatório, hipérico e de quaisquer outros sujeitos à vigilância sanitária, que constem em sua rotulagem como sendo fabricados por Naturnatus Produtos Naturais. :: LEIA MAIS »

Planos de saúde e SUS vão cobrir custos de reimplante de próteses mamárias de silicone rompidas

DO HNEWS

As mulheres com implantes de mama precisam procurar a rede de saúde pública. Anunciada ontem a decisão de forma conjunta pelo Ministério da Saúde, Anvisa e ANS

A substituição de próteses mamárias com ruptura das marcas Poly Implant Prothese (PIP) e Rofil será custeada pela rede pública de saúde e pelos planos de saúde, tanto para mulheres que fizeram cirurgia reparadora como para mulheres que passaram por procedimento estético. A decisão foi anunciada ontem, de forma conjunta, pelo Ministério da Saúde, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). :: LEIA MAIS »

Anvisa quer pão francês com menor teor de sal

DA AGÊNCIA BRASIL

Sal do pãozinho

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) lançou um guia com orientações para que as padarias e outras empresas de alimentação fabriquem o tradicional pão francês com menor teor de sal.

Dados da Pesquisa de Orçamento Familiar do IBGE mostram que o brasileiro consome pelo menos um pão francês por dia, principalmente no café da manhã ou no lanche da tarde.

Uma unidade do pãozinho, com peso médio de 50 gramas, tem cerca de 320 miligramas (mg) de sódio (correspondente a 40% da composição do sal). :: LEIA MAIS »

Anvisa alerta para produtos e cosméticos suspensos

DE A TARDE ONLINE

Creme alisante Alois, "proibidíssimo" pela ANVISA. Desvio de qualidade foi o termo eufêmico para classificar essa "meleca chinfrim"

Foi determinada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como medida de interesse sanitário, a suspensão da fabricação, distribuição, comércio e uso, em todo o território nacional, de todos os produtos sob vigilância sanitária fabricados por: Sebastião Pacheco Ervamel, de Domingos Martins (ES); Loremax Cosméticos, de Divinópolis (MG); e Office Trade Componentes, de Maringá (PR). As empresas não possuem registros e autorização de funcionamento, segundo o órgão.

A mesma medida foi adotada para todos os produtos fabricados por: Santa Luzia Móveis Hospitalares, de São Paulo (SP); Laborflora Produtos Naturais Ltda., de Marataízes (ES); L. A. Carvalho ME, de Garça (MT); Indústria Santo Cristo Produtos de Limpeza Ltda., de endereço desconhecido. :: LEIA MAIS »

ANVISA proíbe mamadeiras com Bisfenol

DA PRESS COMUNICAÇÃO CORPORATIVA

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu pela proibição da venda de mamadeiras ou outros produtos para lactantes que contenha Bisfenol-A (BPA) a partir de 1º de janeiro de 2012.

A substância é um composto utilizado na fabricação do policarbonato, um tipo de plástico rígido e transparente. Apesar de o plástico ser considerado estável, foi provado cientificamente que as ligações químicas do BPA são instáveis e podem se desprender do plástico contaminando os alimento e produtos embalados com materiais que contenham BPA.

De acordo com a Anvisa, a decisão foi baseada nos estudos que indicam que as propriedades do Bisfenol-A que podem causar câncer, problemas cardíacos e hormonais, além de poder ser transmitido de mãe para filho durante a gestação e amamentação.

Quando ocorre o rompimento das ligações e a contaminação do alimento, o BPA pode agir sobre alguns hormônios presentes no corpo humano, comprometendo a saúde. :: LEIA MAIS »

Usar remédio contra diabetes para emagrecer tem alto risco, alerta Anvisa

DA FOLHA ONLINE

Lançado em 2009 na Europa, a liraglutida (substância contida no Victoza) tem sido prescrita por endocrinologistas nos últimos meses no Brasil para pessoas que querem perder peso, mas não são necessariamente portadores de diabetes tipo 2

Em nota emitida na quinta-feira (8), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) afirma que o medicamento Victoza “não é indicado para emagrecimento” e que seu uso para “qualquer outra finalidade que não seja como antidiabético caracteriza elevado risco” para a saúde. :: LEIA MAIS »

Emagrecedores: decisão da Anvisa sai no fim do mês

DO JORNAL DESTAK

A decisão da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) sobre a proibição ou não dos remédios emagrecedores foi adiada para o fim do mês.

A questão central envolve os riscos à saúde dos remédios que tiram o apetite. O mais provável é que sejam proibidos os anfetamínicos (femproporex, dietilpropiona e mazindol) e que a sibutramina seja liberada com restrições: por exemplo, não poderá ser prescrita por mais de 60 dias.

A proibição encontra resistência entre os médicos. Nota do Conselho Federal de Medicina diz que os emagrecedores atuam como “auxiliares no tratamento de obesidade”. “Em vez de proibir, é recomendável fortalecer os mecanismos de controle de sua venda.”

Anvisa recua e propõe manter remédio para emagrecimento

DA VEJA ONLINE

Sibutramina será mantida no mercado, mas sua prescrição será feita respeitando condições mais rígidas

Depois de seis meses de debate, técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) voltaram atrás e decidiram recomendar a manutenção da sibutramina, remédio usado para emagrecimento, no mercado brasileiro. Em relatório apresentado na quarta-feira para membros da Câmara Técnica de Medicamentos (Cateme) da agência, a equipe manteve a decisão de indicar a proibição apenas das drogas dietilpropiona, femproporex e mazindol.

O documento propõe que a sibutramina continue no mercado, desde que sejam respeitadas algumas condições: a droga não pode ser prescrita por um período superior a 60 dias, o paciente tem de ter índice de massa corpórea (IMC) acima de 30 e ele também terá de assinar um documento em que confirma estar ciente de todos os riscos. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia