WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
;
o blog artigos curiosidades dicas qualidade de vida fale conosco
março 2011
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

:: 4/mar/2011 . 16:00

Novo olhar sobre as doenças negligenciadas

DA AGÊNCIA FAPESP

POR ELTON ALISSON

Avanços na biologia molecular e problemas como malária e hanseníase renovam o interesse da pesquisa sobre doenças negligenciadas, segundo a brasileira Laura Rodrigues, que dirige uma das três faculdades da London School of Hygiene and Tropical Medicine

Doenças como hanseníase, malária e poliomielite são chamadas de negligenciadas por não atraírem o interesse dos setores voltados à inovação das empresas farmacêuticas e até mesmo da própria comunidade científica mundial.

Mas, nos últimos anos, com os avanços promovidos pela biologia molecular, o interesse no estudo dessas e de outras doenças negligenciadas foi renovado e deve estimular a retomada de financiamento para as pesquisas.

A avaliação é de Laura Rodrigues, professora de epidemiologia de doenças infecciosas e chefe da Faculdade de Epidemiologia e Saúde da População da London School of Hygiene and Tropical Medicine. :: LEIA MAIS »

Satélites artificiais monitoram doenças do espaço

DO DS

A técnica permite a compilação de mapas de risco de doenças, mediante a sobreposição da distribuição dos locais de maior infecção com a distribuição da população humana. Imagem: Philip Dennison/University of Utah

Hantavirose

O risco de epidemias mortais de hantavirose pode ser avaliado com meses de antecedência usando imagens captadas por satélites artificiais.

A comprovação, que veio por meio do monitoramento em surtos de crescimento na vegetação que induzem um aumento na população de ratos, foi feita por pesquisadores da Universidade de Utah, nos Estados Unidos.

Segundo eles, o método pode ser usado para prever surtos de doenças transmitidas por diversos tipos de roedores e doenças que eles transmitem em todo o mundo.

Doenças transmitidas por ratos

“É uma forma de controlar remotamente uma doença sem ter de sair e capturar animais o tempo todo,” disse Denise Dearing, coautora do estudo publicado na revista Global Ecology and Biogeography. :: LEIA MAIS »



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia